domingo, 7 de setembro de 2014

Parada LGBTS de Brasília prega voto consciente contra a discriminação

Karine Melo - Repórter da Agência Brasil Edição: Davi Oliveira
A menos de um mês do primeiro turno das eleições, o voto consciente foi o tema escolhido para  17ª Parada do Orgulho LGBTS de Brasília, realizada neste domingo (7). “A sociedade tem assistido a gente viver uma série de ataques aos direitos da comunidade LGBT [lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros] especialmente por parte do fundamentalismo, que tem crescido e se organizado cada vez mais no Parlamento, nos espaços de poder. A gente está convocando a comunidade LGBT para votar consciente, para não anular o voto, para olhar bem quem são os candidatos, para ver quem tem compromisso”, explicou Michel Platini, coordenador do evento.

]Na pauta de reivindicações do movimento, estão temas como a criminalização da homofobia, casamento civil igualitário, além de campanhas para o enfrentamento da homofobia. “A gente tem que empoderar essa comunidade, para que ela denuncie e, é claro, quando houver violação de seus direitos, que ela não acredite que, se ela assumir sua homossexualidade, não vai ser discriminada ou não vai sofrer ou morrer. Você tem que tirar esse estigma que está posto e você tira isso dando uma visibilidade positiva”, reforça Platini.
 
Em relação ao casamento igualitário, o movimento LGBT acredita que a aprovação de uma lei nesse sentido é simbólica, já que o direito, na prática, já foi garantido. Isso porque uma resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão de controle externo das atividades do Judiciário, obriga  todos os cartórios do país a cumprirem decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de maio de 2011, de reconhecer a união estável de casais do mesmo sexo. A mesma resolução também obriga a conversão da união em casamento e também a realização direta de casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. Porém, não há nenhuma lei no país que regulamente o assunto.


Ainda na concentração da parada, no Eixão Sul, avenida do Plano Piloto do Distrito Federal, do alto de trios elétricos, ativistas se revezavam em discursos contra homofobia e pela conquista de direitos. No chão, muitos, jovens fantasiados, drag queens e travestis, animaram e divertiram a multidão que, às 19h, já era estimada em 25 mil pessoas pela Polícia Militar do Distrito Federal. Os organizadores estimaram os participantes em 30 mil.

 “Acho fundamental não só o debate, que tem que ser cotidiano sobre os direitos, sobre os avanços nas pautas que garantam os direitos não só da população LGBT, mas de todas as minorias. No caso deles, acho que a visibilidade é importante. Todo mundo tem direito de andar de mãos dadas, de se beijar, como o público hetero também faz”, diz a servidora pública Daniela Matos, simpatizante do movimento LGBT.

O clima muito festivo foi criticado por alguns participantes ouvidos pela Agência Brasil.  “A gente vem à parada com a intenção de resgatar o objetivo original que era trazer para a rua a nossa cara, a nossa festa, mas também a luta pelas bandeiras que a gente defende. Hoje, a gente tem muita festa, por isso a gente vem com cartazes para tentar chamar atenção das pessoas”, reclama o estudante Leonardo Teixeira, que há cinco anos participa do ato em Brasília. O servidor público, Fábio Henrique Ferreira, também acredita que a maioria, especialmente os mais jovens, vão à parada preocupados em conhecer pessoas e não efetivamente com a luta por direitos.

Fonte: Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário