sábado, 14 de junho de 2014

Matizes cobra apuração de crimes homofóbicos no Piauí

Representantes do Grupo Matizes em reunião com o secretário Luís Carlos


O clima de impunidade gerado pela falta de resolutividade de crimes homofóbicos motivou os militantes do movimento LGBT a se reunirem, nesta quarta-feira (11), com o secretário estadual de Segurança Pública, Luís Carlos Martins.
Na reunião, os representantes das entidades cobraram do secretário rigorosa apuração dos homicídios de homossexuais, a fim de identificar e punir os culpados. As entidades também cobraram uma maior colaboração da Delegacia de Homicídios e da Delegacia de Direitos Humanos para a investigação de crimes homofóbicos.
De acordo com a coordenadora do Grupo Matizes, Marinalva Santana, as entidades estão exigindo que a polícia apure os crimes, pois o clima de impunidade possibilita que sejam cometidos mais atos de violência contra o público LGBT no Piauí. “Estamos clamando as autoridades para que os crimes sejam apurados rigorosamente”, endurece.
Um levantamento feito pelo Grupo Matizes aponta que, nos últimos seis anos, a violência contra pessoas LGBT tem aumentado consideravelmente. Entre 2009 e 2014, foram registrados 47 homicídios de homossexuais no Piauí, sendo que, muitos deles, foram executados com requintes de crueldade.
Segundo Maria Laura Reis, do Fórum Estadual de Trans do Piauí, os travestis e transexuais são os que mais sofrem com violência e discriminação. Maria Laura afirma, por exemplo, que os gays têm enfrentado preconceito dentro das próprias delegacias de polícia, quando vão registrar boletim de ocorrência.
“Nos reunimos com o secretário de Segurança com o objetivo de reforçar a nossa luta e mostrar que não vamos ficar reféns dessas pessoas que estão querendo nos intimidar. Por isso, não vamos parar e não vamos nos silenciar diante dessa situação”, afirma.
O secretário Luís Carlos disse que vai exigir maior rigor dos delegados na apuração dos crimes de natureza homossexual e ressaltou que vai tomar outras medidas, para repreender essas práticas criminosas.

Fonte: Clica Piaui

Nenhum comentário:

Postar um comentário