sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Núcleo LGBT da SJCDH repudia ato de transfobia no Shopping Barra


O Núcleo LGBT da Secretaria Estadual de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH) manifestou repúdio à exigência feita por um grupo de funcionárias à direção do Shopping Barra, em Salvador, de proibir outro funcionário, que é travesti, de usar o banheiro feminino. Mais de 21 mulheres assinaram um abaixo-assinado solicitando a proibição, sob a alegação de que se sentem constrangidas.

A coordenadora do núcleo da SJCDH, Paulete Furacão, a primeira transexual a assumir um cargo no funcionalismo público estadual, caracterizou o ato como transfobia – aversão a travestis, transexuais e transgêneros. Ela garante que vai acompanhar, através da secretaria, os desdobramentos do caso.

“Que tipo de formação essas pessoas tiveram para lidar com pessoas? O Núcleo LGBT da secretaria repudia qualquer tipo de preconceito contra LGBTs e acompanharemos de perto essa vergonhosa transfobia”, afirmou a coordenadora.

Paulette lembrou, ainda, que a notícia da discriminação chega no mês em que acontece a mobilização pela Visibilidade Trans – especificamente no dia 29 de janeiro. A campanha foi criada em 2004, com o objetivo de chamar atenção para a dignidade e direitos dos travestis e transexuais.


De Salvador,
Erikson Walla

Fonte: Vermelho

Um comentário:

  1. as mulheres que foram contrarias à presença do travesti no banheiro feminino estão COBERTAS DE RAZÃO. ora, onde já se viu uma coisa dessas? o cidadão mencionado é homem, deve portanto ir para o banheiro dos homens e o fato de ele se achar uma mulher não lhe dá o direito de frequentar o banheiro feminino. isso pode dar margem a qualquer homem querer ir expiar as mulheres lá dentro, fazendo de conta que é travesti. francamente, essa turma gayzista está perdendo totalmente a noção das coisas.

    ResponderExcluir