domingo, 27 de outubro de 2013

Jovens transgêneros são impedidos de fazer a prova do ENEM

De acordo com a página "Homens Transexuais" um rapaz transexual, que seria do estado de São Paulo, foi impedido de fazer a prova do ENEM sob alegação de falsidade ideológica, sem ter maiores informações deste caso a postagem provocou uma discussão sobre isso e incentivou demais jovens trans* a relatarem as suas situações humilhantes e constrangedoras que foram submetidas ao tentar acessar a sala para realização do exame.

"Me barraram também, tomaram todos os meus materiais e me mandaram pra uma sala para conversar com a coordenadora, que tive que explicar toda a minha situação, dizer que eu sou transexual... Ela me questionou por que eu não tinha mudado os documentos, eu respondi que como iria mudar se tenho só 17 anos e o governo não permite? - Todos da sala ficaram me olhando!" relatou Ana, inconformada.

Diversos outros relatos são registrados na página, comprovando a total falta de preparado e desconhecimento dos aplicadores das provas em atender esse jovens, que muitas vezes já passam constrangimentos na família, na escola, no trabalho e agora no momento mais importante, quando essas pessoas tomam a decisão de dar um passo a frente para a sua evolução profissional e dar um novo rumo em suas vidas, sofrem novamente com a transfobia.

"Eu também perdi uns 30 minutos da prova por que a mulher falou que eu não poderia assinar pois não tinha certeza se era eu mesmo no RG. Foi muito constrangedor, por que ela chamou mais 3 pessoas para poder entender tudo que havia explicado pra ela. Até que uma quarta pessoa chegou e disse que estava tudo certo com meu documento, que podiam me deixar fazer a prova. Foi muito chato, a sala toda me olhando!" diz Hugo na página Homens Transexuais.

Neste ano, foi apresentado no Congresso Nacional pelos Deputados Jean Wyllys (PSOL) e Érika Kokay (PT) o projeto de lei de identidade de gênero, homenageada como Lei João W. Nery que dispõe sobre o direito à identidade de gênero e altera a lei de registros públicos. Além de garantir direitos, permitirá que pessoas transgêneras retifiquem os seus documentos oficiais com maior agilidade e facilidade. A aprovação dessa lei é uma das prioridades de luta das pessoas trans* e do movimento LGBT. Leia o projeto como foi apresentado na íntegra, aqui.

Por Gustavo Don.

Nenhum comentário:

Postar um comentário