sexta-feira, 2 de agosto de 2013

TRÊS LAGOAS/MS - Conselho Tutelar registra cinco casos de homofobia contra adolescentes


Renata Prandini

Pelo menos cinco casos de homofobia foram registrados apenas contra adolescentes em Três Lagoas de janeiro até o momento. Os dados são do Conselho Tutelar e apontam que, na maioria das vezes, os crimes foram cometidos por familiares. De acordo com o conselheiro Davis Martinelli, as denúncias registradas até o momento são de casos em que os próprios adolescentes procuraram a instituição, alegando sofrerem agressões verbais e até serem expulsos de casa. “Os próprios adolescentes nos procuram para falar do sofrimento vivido perante a família, que não aceita a orientação sexual deles. Mas nunca ao ponto de agredir fisicamente. Nada como o registrado agora”, explicou David em entrevista concedida à equipe de reportagem da TV Concórdia Notícias.

O caso citado pelo conselheiro é o do adolescente de 16 anos que foi espancado e torturado pelo próprio pai, um pecuarista da cidade. O motivo das agressões estaria relacionado ao fato de o filho ser homossexual.

Segundo Davis, o crime chegou ao conhecimento do Conselho Tutelar na terça-feira, quando o garoto se preparava para deixar o Hospital Auxiliadora depois de dois dias internado. Entretanto, ele explicou que não fora as marcas de agressões que resultaram na denúncia, mas sim uma briga entre os pais do garoto. O casal está separado há pouco tempo e o pai, que tem a guarda do adolescente, queria levar o filho para a casa. A mãe não permitiu.

Ao conselheiro, o adolescente contou que as agressões começaram na madrugada de segunda-feira e só pararam quando outros membros da família interferiram. “[A agressão] começou à meia-noite e só cessou às 2h, quando a família, um irmão e os avós, o tiraram do pai e o levaram para o hospital. Temos fotos para comprovar essa agressão”, destacou. Além de bater em várias partes do corpo do adolescente, o pai, na versão apresentada tanto ao Conselho Tutelar quanto à Polícia Civil, ainda teria ameaçado amarrá-lo e arrastá-lo em um veículo.

“Segundo o garoto, o pai sempre foi contra a orientação sexual dele. No ano passado, atendemos essa mesma família por conta das agressões verbais do pai. É lamentável, porque a sociedade não imagina que isso possa acontecer em uma cidade como Três Lagoas. Mas acontece, e muito. Só que nem a sociedade, e muitas vezes, nem o Conselho Tutelar fica sabendo”, disparou.

A conselheira tutelar Miriam Monteiro Herrera Hamed concorda. De acordo com ela, dos cinco os casos de homofobia registrados até o momento, com exceção desse garoto, são de agressões verbais de familiares e atingem a ambos os sexos. Entretanto, o número pode ser maior, já que muitos adolescentes às vezes sofrem sem procurar ajuda.

INQUÉRITO

De acordo com o delegado Paulo Rossetto, da 1ª Delegacia de Polícia, o pai do adolescente deverá responder pelo crime de tortura, cuja pena pode chegar a 10 anos de prisão. O pai foi ouvido ontem. Ele compareceu à delegacia acompanhado do advogado, mas foi liberado por já ter passado o flagrante. 
Por enquanto, o garoto permanece sob a guarda da mãe, através de um Termo de Compromisso agilizado pelo Conselho Tutelar. (Com a colaboração de Ana Lilian Guimarães)

Fonte: JP

Nenhum comentário:

Postar um comentário