domingo, 16 de dezembro de 2012

Bento XVI condena aborto e união homoafetiva


Cidade do Vaticano, 15 dez (SIR) - O papa Bento XVI voltou a condenar o aborto, a eutanásia e as uniões homoafetivas em sua mensagem para o Dia Mundial da Paz, celebrado em 1 de janeiro.

"Quem deseja a paz não pode tolerar atentados ou delitos contra a vida", disse o Pontífice na mensagem, divulgada nesta sexta-feira pela Santa Sé e cujo título é "Bem-aventurados os obreiros da paz". O texto é dividido em sete subtemas, entre eles "Educação para uma cultura de paz: o papel da família e das instituições", "Construir o bem da paz através de um novo modelo de desenvolvimento e de economia" e "Uma pedagogia do obreiro da paz".

Em um trecho da mensagem, Bento XVI diz que "aqueles que não apreciam suficientemente o valor da vida humana, chegando a defender, por exemplo, a liberalização do aborto, talvez não se deem conta de que assim estão propondo a continuação de uma paz ilusória". "A fuga das responsabilidades, que deprecia a pessoa humana e, mais ainda, o assassinato de um ser humano indefeso e inocente, nunca poderão gerar felicidade nem a paz", destacou o texto.

Em relação às uniões homossexuais, Bento XVI disse que "a estrutura natural do matrimônio, como união entre um homem e uma mulher, deve ser reconhecida e promovida contra as tentativas de a tornar, juridicamente, equivalente a formas radicalmente diversas de união que, na realidade, prejudicam-na e contribuem para a sua desestabilização, obscurecendo o seu caráter peculiar e a sua insubstituível função social." De acordo com o Papa, "estes princípios não são verdades de fé, nem uma mera derivação do direito à liberdade religiosa, mas sim, estão inscritos na própria natureza humana, sendo reconhecíveis pela razão e, consequentemente, comuns a toda a humanidade".

Fonte: Domtotal

Nenhum comentário:

Postar um comentário