quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Pesquisa mostra que mercado de trabalho brasileiro é homofóbico


Qual a quantidade de empresas brasileiras que aceitam profissionais abertamente homossexuais? Segundo uma pesquisa feita pelo site trabalhando.com, com 400 profissionais de recursos humanos de grandes empresas de recrutamento e executivos do setor, divulgada em Maio de 2011, apenas 3% dos profissionais acreditam que as empresas aceitam os gays sem restrições. Para as empresas pesquisadas, a contratação do homossexual é estudada e a aceitação varia de acordo com o cargo, setor, bem a região onde a pessoa irá trabalhar. Ou seja, o tratamento diferenciado já começa antes mesmo do emprego se concretizar.

Dos profissionais, 54% acreditam que o preconceito existe e 38% das empresas teriam restrições na contratação de homossexuais. O preconceito é velado, revelam os profissionais. Gays são desclassificados nestes casos com muita discrição. “Em uma entrevista, em uma situação de avaliação, as empresas não declaram que esse é o motivo de reprovação. Mas se ele perceber, se isso ficar claro, se isso for dito, ele pode recorrer. Se a gentre quer mudar uma cultura, mudar uma forma de pensar, a gente percebe que esse movimento está acontecendo no país como um todo, ele deve denunciar”, defende a gerente de recrutamento e seleção da trabalhando.com, Ana Luiza Ferraz.

Outras pesquisas no setor revelam que multinacionais e estatais são mais tolerantes e diversas empresas possuem programas de inclusão de minorias, bem como reconhecem os parceiros do mesmo sexo como beneficiário em programas internos e planos de saúde da empresa. Empresas como Exxon, IBM, Dell, HSBC, entre outras, importaram estratégias que propoem a melhora da qualidade de vida de seus funcionários LGBTs.
Fonte: Lado A


Nenhum comentário:

Postar um comentário