terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Avança Cuba em cirurgias de re-designação sexual

Havana, 16 jan (Prensa Latina) Em Cuba realizaram-se 15 cirurgias de re-designação sexual, e existem outras solicitações da população transexual, quem são tratados por uma comissão segundo os parâmetros internacionais , assegurou hoje aqui uma especialista.


Mariela Castro Espín, diretora do Centro Nacional de Educação Sexual (Cenesex), explicou que a primeira cirurgia desse tipo se realizou na ilha em 1988, no entanto, não foi até 2007 que o Ministério de Saúde Pública retomou o procedimento.

Na medida que divulguemos estes serviços nos meios de comunicação, chegarão mais pessoas que vivem o conflito e não sabem que podem receber ajuda, assinalou a especialista em uma entrevista concedida ao sítio digital Cubasí.

Até hoje, as pessoas transexuais devem passar por um período de seguimento de dois anos, durante o qual recebem acompanhamento por especialistas, junto com um tratamento hormonal personalizado enquanto dura a transição para o gênero com o qual se identificam.

Ao final do processo, a comissão valida aqueles quem estão prestes para a cirurgia de re-designação sexual (conhecida popularmente como ou mudança de sexo ) e para a mudança de identidade legal, afirmou Castro Espín.

Explicou contudo, que a cirurgia não é um capricho estético, senão um procedimento cientificamente analisado a nível internacional, que demonstra um benefício considerável para o bem-estar das pessoas transexuais.

Com o procedimento ciirúrgico contribui-se a aliviar a angústia vivida por essas pessoas desde sua infância , como resultado dos preconceitos que conduzem à incompreensão e a discriminação, assegurou.

Por outra parte, destacou que desde 2008 no país se trabalha por uma estratégia educativa, com o apoio dos meios de comunicação, instituições do Estado, o Partido Comunista, e organizações da sociedade civil, para o respeito à livre e responsável orientação sexual e identidade de gênero.

Trata-se de um processo de transformação cultural profundo, de contribuir elementos de análise para desarticular os preconceitos que se estabeleceram historicamente para dominar às pessoas, suas sexualidades e seus corpos.

A mudança da consciência social é muito complexa e leva muito tempo, mas deve existir decisão política para facilitar a mudança, caso contrário estaríamos reproduzindo as formas de pensar das sociedades exploradoras que nos precederam, manifestou Castro Espín.

Destes e outros importantes temas científicos se debaterá amplamente no VI Congresso cubano de Orientação, Educação e Terapia Sexual, que terá lugar no Palácio de Convenções de Havana de 23 a 26 de janeiro próximo.

O evento, no que participarão especialistas dos Estados Unidos, Espanha, Canadá, Venezuela, Argentina, entre outros, se desenvolverá sob o lema A educação sexual nos processos de transformação social .

Fonte: Prensa Latina

Nenhum comentário:

Postar um comentário