sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Jean Wyllys defende punição a igrejas que pregam cura homossexual. Malafaia responde: “intolerante”

Jean Wyllys defende punição a igrejas que pregam cura homossexual. Malafaia responde: “intolerante”



O deputado federal Jean Wyllys foi entrevistado pelo programa “Poder e Política Entrevista”, e falou sobre os temas abordados por ele em seu mandato.
Na entrevista, Jean falou que o projeto que criminaliza a homofobia foi desfigurado pela relatora, Senadora Marta Suplicy, e que do jeito que está, “não agrada à Frente Parlamentar LGBT, nem agrada a setores do movimento LGBT. Da maneira como esse substitutivo foi apresentado… E o próprio texto cria um novo tipo penal e reduz a homofobia a uma mera questão de agressão e assassinatos”.
Questionado sobre o aspecto religioso do Projeto de Lei 122, Wyllys afirmou que a Constituição garante a liberdade de culto e crença, mas discorda que pastores possam falar contra a homossexualidade em programas de rádio e tv: “Eu acho que as religiões, elas têm liberdade para propagar da maneira que elas melhor escolheram, definiram, os seus valores. A sua concepção de vida boa. Isso é uma coisa garantida na Constituição e que a gente tem que defender. As religiões são livres para isso. E os pastores são livres para dizer no púlpito de suas igrejas que a homossexualidade é pecado, já que eles assim o entendem. Entretanto, eu não acho que os pastores que estão ali explorando uma concessão pública de rádio e TV tenham que aproveitar esses espaços para demonizar e desumanizar uma comunidade inteira, como é a comunidade homossexual”, reclamou Wyllys.
Jean Wyllys afirmou entender que mesmo com o direito ao culto e à opinião, o homossexualismo não deve ser tratado pelos cristãos como pecado mortal: “Se incitarem a violência, se justificarem as violências todas praticadas no país contra homossexuais por meio de um entendimento que a homossexualidade é uma degeneração, para usar a palavra que eles costumam usar, que é uma abominação, que é uma degeneração, que a homossexualidade é uma doença, que a homossexualidade é um pecado grave e mortal, aí sim eu acho que isso tem que ser enfrentado. E tem que ter uma lei que preveja esse tipo de crime”.
Pregando punição a esse tipo de prática das igrejas, Jean afirmou que a lei deve coibir as iniciativas das igrejas de prestar assistência a homossexuais: “Sabe o que é inaceitável? São as igrejas, por exemplo, financiarem programas de recuperação e de cura de homossexualidade. E o pastor promover esse tipo de serviço nos seus cultos”.
O deputado explicou ainda que os motivos de ter se filiado ao PSOL foram as heranças do cristianismo aprendido enquanto frequentado a pastoral da Igreja Católica: “eu vi que eu tinha muito mais identificação ideológica e programática com o PSOL, que é um partido socialista. E de alguma maneira os valores que eu herdei do cristianismo, os valores cristãos que eu herdei do período em que estive na pastoral, de um cristianismo perdido, infelizmente, esses valores, essa ética está muito mais próxima da ética socialista, de justiça social e não há socialismo sem a ideia de liberdade”.
Sobre a entrevista de Jean Wyllys, o pastor Silas Malafaia comentou afirmando que o deputado Jean Wyllys pretende amordaçar os cristãos. “(Ele) quer nos calar a qualquer custo. Não suporta a crítica ao comportamento homossexual! Quer rasgar o art. 5 da constituição. A mentira que ele diz: que os pastores promovem estes tipos de serviços nos seus cultos em dizer: ‘vocês homossexuais, venham para os nossos programas de terapia e de cura de homossexualidade’. Mentiroso de marca maior. Os pastores pregam a libertação de qualquer tipo de pecado. São os próprios homossexuais que pedem ajuda para serem libertos”, afirmou Malafaia, segundo informações do site Verdade Gospel.
Malafaia voltou a afirmar que no ponto de vista dele, os ativistas homossexuais são o grupo mais intolerante atualmente: “Como tenho dito repetidas vezes: o grupo social mais intolerante da pós modernidade são os grupos homossexuais, que querem calar e criminalizar a opinião. É só ler o famigerado PLC 122 que ele defende, para confirmar todas as minhas palavras”.
Fonte: Gospel+

Nenhum comentário:

Postar um comentário