sexta-feira, 22 de julho de 2011

Agressões e mortes exigem criminalização "urgente" da homofobia, defendem especialistas




Para o jurista Walter Maierovitch, sociedade não pode ficar sem resposta diante dos atos de homofobiaOs três especialistas ouvidos pela reportagem se mostraram preocupados com a frequência de casos --que se "popularizaram" na mídia principalmente após sucessivos ataques a gays na avenida Paulista, no ano passado, em São Paulo --e com a violência empregada contra pai e filho no interior paulista. Paralelamente, no Congresso brasileiro, o projeto de lei complementar que criminaliza a homofobia, o 122/2001, não tem sequer perspectiva de ser levado a votação, ante a grande resistência à matéria principalmente entre as bancadas religiosas. Mês passado, porém, o STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou a união civil entre pessoas do mesmo sexo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário