terça-feira, 24 de maio de 2011

Artigo de Zé da Cruz: 'Bater e matar homossexual ainda é uma prática comum'


3 x 8, “quarila” “fresco”, “boiola”, “biba”,”comedor de mirindiba”,”paca” etc. Assim eram chamados os homossexuais na época em que se amarrava cachorro com lingüiça.Tempo em que achavam que a homossexualidade era doença. Muitos homossexuais chegavam a ser internados em clínicas para pessoas com distúrbios mentais, e o pior de tudo com embasamento cientifico. Era uma época em que o homossexual assumido era alvo de deboche onde quer que fosse a qualquer hora do dia ou da noite chegando ao cúmulo de ser agredido, e até morto dependendo da conveniência do agressor ou de determinado grupo ou porque não dizer quadrilha.Em muitos casos, o pai era o maior conivente por não aceitar o filho(a) do jeito que ele queria ser. Numa atitude preconceituosa, chegava a colocá-lo pra fora de casa ou humilhava publicamente fazendo ele (a) namorar e até a casar com uma pessoa do sexo oposto vivendo uma infelicidade conjugal sem precedente causando danos psicológicos irreversíveis. Esse preconceito e discriminação sempre foram referendados por uma sociedade branca, machista, patriarcal e excludente onde as minorias são vista com desconfiança. Isso também vale para os negros, índios, gordos, deficientes, idosos. O pobre e a mulher também são excluídos, mas tem maioria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário